SE LIGA NA CONTA DE ENERGIA

O calor já chegou e parece que veio com tudo este ano, né? Para conseguir passar pelo verão com um pouco mais de conforto, alguns aparelhos que consomem energia são nossos aliados. Entram em cena equipamentos como o ar-condicionado e a geladeira, que trabalham bastante nesse período. Haja energia e haja dinheiro para pagar a conta de luz depois! Para você poder curtir a estação mais quente do ano sem se preocupar, a Rede Kigali traz a campanha SE LIGA na Conta de Energia. Essa é a nossa ação anual para ajudar você, consumidor, a economizar durante o verão sem ter que suar.

Economizar energia no uso dos aparelhos que temos em casa pode ajudar a deixar a conta de luz muito mais barata. O consumo de energia de cada aparelho é medido em quilowatt-hora (kWh). Na nossa conta de energia é cobrada a soma do consumo da residência, composta por o que cada aparelho gastou para funcionar ao longo do mês. Por isso é tão importante prestar atenção em quantos kWh cada equipamento consome antes de comprar: nem sempre o aparelho mais barato vai valer a pena, pois ele pode encarecer a conta de luz consumindo muita energia. Além disso, a maneira como você utiliza o seu aparelho também pode ajudar a economizar. Se liga em todas as dicas que vamos apresentar aqui para aprender como! Antes de conferir as dicas, que tal entender melhor sua conta de luz e tudo o que é cobrado nela? Acesse o site É da Sua Conta do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) para encontrar essas e outras informações.

 

Poupar energia faz bem para o seu bolso, mas também ajuda na preservação do planeta. Isso porque a energia pode ser gerada a partir de fontes consideradas limpas, como a energia solar, a eólica e a hidrelétrica, ou a partir de fontes poluentes, como a produzida pelas termelétricas, por meio da queima de materiais como carvão, bagaço de cana ou madeira. O problema é que essa queima libera gases de efeito estufa que causam o aquecimento global. Em 2021, o setor de energia no Brasil registrou a maior alta nas emissões desses gases em 50 anos, segundo dados do Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa (SEEG) do Observatório do Clima. O setor emitiu, em 2021, 435 milhões de toneladas de CO2 equivalente. 

Se o planeta aquece, quem enfrenta as consequências somos nós. Os últimos oito anos podem ser os mais quentes já registrados, segundo relatório da Organização Meteorológica Mundial (OMM) da ONU divulgado na Conferência das Nações Unidas Sobre as Mudanças Climáticas (COP27). Se o aquecimento global não for contido, o calor pode piorar, gerando consequências à nossa saúde e colocando até mesmo a vida das pessoas em perigo. Um estudo, publicado pela revista Nature em 2021, mostrou que 37% das mortes relacionadas ao calor na estação mais quente do ano podem ser atribuídas à mudança climática antropogênica, ou seja, aquela causada pelo homem. O estudo utilizou dados de 43 países no período de 1991 a 2018. O aumento da mortalidade foi registrado em todos os continentes e variou, de acordo com a localidade, de dezenas a centenas de mortes por ano. Entenda melhor a relação entre saúde, energia e clima no site do Projeto Hospitais Saudáveis (PHS).

 

 

CONFIRA NOSSAS DICAS

Ar-condicionado

Quanto mais quente fica o clima, mais dependemos do ar-condicionado para deixar o ambiente mais confortável e, em alguns momentos, até mais habitável. Ele é necessário inclusive em hospitais para manter o bem-estar dos pacientes. O problema é que esse aparelho gasta muita energia e faz com que a conta de luz fique bem mais cara. A dica é prestar atenção na hora da compra do aparelho para escolher o mais eficiente, ou seja, aquele que consome menos energia. Alguns hábitos e cuidados no uso do ar-condicionado também podem ajudar a economizar.

NA HORA DA COMPRA

VERIFIQUE SE O AR-CONDICIONADO É INVERTER

A tecnologia inverter faz com que o condicionador de ar não precise trabalhar mais do que o necessário para refrigerar o ambiente. O ar-condicionado inverter não tem picos de energia quando é ligado e durante seu funcionamento (veja na imagem a seguir). Esse tipo de aparelho resfria o ambiente de forma mais rápida e eficiente, economizando energia. Os inverters também costumam ser mais silenciosos.

CONFIRA A ETIQUETA DO INMETRO

Procure por um ar-condicionado que tenha a classificação A na Etiqueta Nacional de Conservação de Energia (ENCE) do Inmetro. Isso quer dizer que ele é o mais eficiente comparado com os aparelhos com as mesmas características. A ENCE dos ares-condicionados foi atualizada pelo Inmetro em junho de 2021. Desde essa data, fabricantes e importadores já podem utilizar essa nova etiqueta nos aparelhos e, a partir de 2023, eles devem utilizar apenas ela. No entanto, você ainda vai encontrar a etiqueta antiga nos aparelhos à venda até junho de 2024, quando apenas poderão ser vendidos aparelhos com a nova etiqueta.

PRESTE ATENÇÃO AOS BTUS

Quando for comprar o seu ar-condicionado, você precisa saber qual a capacidade mais adequada do aparelho para atender às necessidades do seu ambiente. A medida da capacidade é o Btu/h e, para calculá-la, é preciso considerar: tamanho e tipo do cômodo onde o ar-condicionado será instalado, quantas pessoas farão uso do cômodo, tamanho das janelas, direção do cômodo em relação ao sol, tipo de forro e telhado. Procure por orientações de um técnico, que poderá ser o responsável pela instalação do aparelho, e dos vendedores (no caso de loja física).

NA INSTALAÇÃO

Busque sempre profissionais qualificados para instalar o ar-condicionado. A unidade externa deve ficar em um local com boa circulação de ar, sem bloqueios nas saídas de ar e sem luz direta do sol. Caso contrário, o aparelho vai trabalhar mais, sem necessidade. Se não tiver jeito, a dica é instalar uma cobertura para a unidade externa para o sol não bater diretamente nela. No interior da residência, o ar-condicionado deve ser instalado de forma a possibilitar a melhor circulação de ar no ambiente, de preferência paralelo à maior dimensão do cômodo. A instalação em cantos de paredes e próximo a móveis e cortinas deve ser evitada. O equipamento deve ficar no alto, já que o ar frio desce e se espalha pelo ambiente.

NO DIA A DIA

  • Se liga na temperatura do ar-condicionado! Tente usá-lo acima dos 23ºC e evitar as temperaturas muito baixas. Se você diminuir um grau, por exemplo, pode gastar até 8% a mais de energia.
  • Filtros sujos atrapalham a entrada do ar no aparelho, forçando o ar-condicionado a trabalhar mais. A recomendação é limpá-los a cada duas semanas.
  • Limpe com frequência as entradas e saídas de ar. A boa manutenção do ar-condicionado também evita a contaminação das pessoas por doenças respiratórias. Manter o aparelho limpo também é questão de saúde.
  • Mantenha portas e janelas bem fechadas e vedadas para evitar que o calor entre no ambiente e que o ar frio saia. Feche cortinas e persianas mesmo quando o ar não estiver sendo utilizado, para evitar que o cômodo esquente com o calor do sol.
  • Desligue o aparelho se for sair do ambiente por muito tempo. Se for ficar um período fora de casa, tire o aparelho da tomada, pois mesmo em stand-by ele consome energia.

Aparelhos como os ares-condicionados e os refrigeradores utilizam, em seu interior, um fluido refrigerante. No Brasil hoje a maior parte dos aparelhos de ar condicionado utilizam o gás R-410A, que é um hidrofluorcarbono (HFC). Esse é um gás de efeito estufa, que aquece o planeta duas mil vezes mais que o CO2 quando vaza para o ambiente. Para reduzir a quantidade de HFCs no planeta, foi criada em 2016 a Emenda de Kigali ao Protocolo de Montreal. Em julho deste ano, a Emenda de Kigali foi aprovada pelo Congresso brasileiro e, em outubro, o Brasil se tornou o 139º país na lista da ONU a ratificar a Emenda. A Emenda trará benefícios também à indústria, que poderá ter acesso a 100 milhões de dólares a fundo perdido da ONU para atualizar as linhas de produção, e aos consumidores, que terão acesso a produtos mais eficientes e modernos. Confira mais informações aqui.

 

Geladeiras

A geladeira está presente na casa de 98% dos brasileiros e é fundamental para a manutenção do alimentos. É um aparelho que tem um peso grande na conta de luz, pois precisa ficar ligado na tomada o dia todo. Apesar dessa característica, é possível economizar energia escolhendo um aparelho eficiente e adotando algumas dicas que melhoram o seu desempenho.

NA HORA DA COMPRA

TENTE OPTAR POR UM APARELHO INVERTER

Assim como os condicionadores de ar, também há refrigeradores com a tecnologia inverter. Eles ainda são poucos no mercado e o valor é um pouco superior aos convencionais, mas o investimento será recuperado no valor economizado na conta de energia.

CONFIRA A ETIQUETA DO INMETRO

Escolha um refrigerador que tenha a etiqueta A do Inmetro. Mas preste atenção, pois só é possível comparar aparelhos de mesmo tamanho, capacidade e tipo. Desde julho deste ano, a nova etiqueta para os refrigeradores começou a valer. É preciso prestar atenção na hora da compra, pois a nova etiqueta vai conviver com a antiga nas lojas até junho do ano que vem. Depois dessa data, só vale a nova etiqueta. Mas, atenção redobrada, pois essa nova etiqueta tem mudanças na classificação, com a inclusão das categorias A+, A++ e A+++, e ela é uma etiqueta de transição – a etiqueta definitiva começa a entrar no mercado em 2026 e a classificação será feita com letras de A a F.

Quer entender melhor as mudanças na ENCE dos refrigeradores? Leia a série de quadrinhos A Turma da Super EE em: aulas de etiqueta do IEI Brasil.

A heroína Super Eficiência Energética explica para uma turma composta por duas geladeiras, um freezer e um frigobar tudo sobre a atualização da etiquetagem dos refrigeradores, além dos prazos e das características de cada uma das etiquetas.

NA INSTALAÇÃO

A geladeira consome energia para deixar o seu interior com uma temperatura mais baixa do que a do lado de fora. Para isso, ela trabalha tirando o calor dos alimentos armazenados e deixando em uma temperatura mais fria. Para que o calor saia da geladeira livremente, é importante mantê-la afastada ao menos 10 centímetros da parede. Assim o espaço de circulação do ar quente que sai aumenta e a geladeira precisa fazer menos esforço e consumir menos energia para isso. Se, ao contrário, a geladeira ficar muito próxima da parede, o calor vai se concentrar e ela precisará gastar mais energia para fazer essa troca com o ambiente. Além disso, evite instalar a geladeira próxima de fontes de calor como fogões e lugares em que bate sol ou colocar aparelhos como micro-ondas e fornos elétricos sobre ela.

NO DIA A DIA

  • Evite abrir e fechar a porta da geladeira várias vezes e preste atenção para não deixá-la aberta.
  • Não coloque comida quente dentro da geladeira. Dessa forma, o aparelho não fará tanto esforço para gelar a comida e gastará menos energia.
  • Descongele e desligue o refrigerador da tomada quando for viajar ou passar muito tempo longe de casa.
  • Troque a borracha de vedação da porta quando ela estiver muito gasta, pois ela tem a importante função de impedir que o ar frio saia e que o ar quente entre. 
  • Não deixe acumular gelo no congelador da geladeira ou no freezer, pois isso faz com que o aparelho consuma mais energia. Descongele e limpe com frequência os congeladores para manter a eficiência do aparelho.
  • Não use toalhinhas ou paninhos para forrar as prateleiras da geladeira, pois isso impede a circulação do ar frio e faz com que a geladeira tenha que gastar mais energia para resfriar.

  • Não seque roupas na parte de trás da geladeira. Isso bloqueia a saída do calor, aumentando o gasto de energia.
  • Regule o termostato da geladeira de acordo com o clima: se estiver mais frio, a geladeira não vai precisar de tanta energia para resfriar, então o termostato pode ficar mais próximo do mínimo. Deixe as posições mais próximas do máximo para os dias muito quentes.

Se você quer reduzir sua conta de luz não só no verão, mas em todas as estações, a dica é se ligar no tipo de lâmpadas que você escolhe para a sua casa. Se você ainda utiliza lâmpadas fluorescentes, troque-as pelas lâmpadas de LED, que economizam até 50% de energia. Além de mais econômicas, as lâmpadas LED não contém o tóxico mercúrio em seu interior. Quando quebradas, as lâmpadas fluorescentes liberam esse metal pesado que contamina o meio ambiente e pode causar diversas doenças. A campanha Clean Lighting Coalition (CLiC) coordenada pela CLASP tem com objetivo eliminar a iluminação tóxica por meio da Convenção de Minamata (saiba mais aqui).

Outros aparelhos

Se você vai viajar neste verão, tire da tomada todos os aparelhos elétricos, pois mesmo os que ficam em stand-by (com a luzinha acesa) gastam energia. Essa também é uma dica de segurança, pois evita que os aparelhos queimem ou entrem em curto devido a uma descarga elétrica, por exemplo.

Se for comprar um novo equipamento, verifique se ele tem a etiqueta A do Inmetro. Além do ar-condicionado e dos refrigeradores, aparelhos como ventiladores, máquinas de lavar e chuveiros também recebem a ENCE. A lista completa dos aparelhos possuem etiqueta pode ser consultada aqui no site do Inmetro.

Acompanhe também nossas dicas e novidades nas redes sociais da campanha Se Liga na Conta de ENERGIA:

A Rede Kigali

A Rede Kigali tem como propósito promover a eficiência energética como um instrumento para atingir múltiplos benefícios para a sociedade brasileira e para o consumidor. A eficiência energética, e as políticas e os mecanismos que a promovem são tratados pela Rede Kigali não como um fim em si mesma, mas como um meio com diversos objetivos, entre eles oferecer para os consumidores aparelhos mais baratos e mais econômicos no consumo de eletricidade e dinamizar os setores econômicos envolvidos com a realização de investimentos em inovações tecnológicas, geração de emprego, aumento da produtividade e competitividade. A Rede Kigali é composta pelo Instituto Clima e Sociedade (iCS), Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), International Energy Initiative – IEI Brasil, CLASP, Projeto Hospitais Saudáveis (PHS) e rede de jovens Engajamundo.